Prémio Nacional de Professores 2007 - CONFAP

Classifique este item
(0 votos)

O Prémio de Inovação foi atribuído a Paula Canha, professora de Biologia e de Geologia na Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, em Odemira. 

Este prémio coloca em evidência professores que introduzam métodos inovadores de ensino na sua prática educativa.

Paula Canha não conjuga o verbo investigar de uma forma teórica, apostando no trabalho experimental na área das Ciências para contagiar os alunos com o gosto de “meter as mãos na massa”.

Licenciou-se em Biologia pela Universidade de Aveiro em 1987, altura em que começou a dar aulas, ao mesmo tempo que se deslocava para Vila Nova com um projecto em mente: montar uma Aquacultura.

Assim foi. Começou a dar aulas “por acidente”, mas passados poucos anos percebeu que tinha de optar por um dos dois trabalhos. Optou por dar aulas.

“Não consegui largar os miúdos”, que eram uma novidade para mim, porque vinha de um curso de biologia de investigação. Nessa altura, foi difícil aceitar que me tinha enganado na minha vocação”, afirma.

Na Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, em Odemira, coordena, desde o final dos anos 90, o clube de ciências da escola (Clube Bigeo), com base no qual tem organizado actividades de interesse científico e pedagógico que já mereceram um conjunto de prémios a nível nacional e internacional.

Na sua candidatura, proposta pelo conselho executivo da escola, lê-se que “o que de mais relevante resulta do seu trabalho é a sua rara perspectiva de ensino e, particularmente, do ensino das ciências: a ciência e a investigação não são objecto de discurso retórico que os alunos tenham de repetir, mas antes a actividade prática quotidiana de grupos de trabalho que almejam a descoberta e a inovação”.

Todos os alunos que por ela são orientados na disciplina de Área de Projecto contam, nas áreas de estudo em que estão a trabalhar, com a orientação de professores universitários especializados nos respectivos temas.

Na Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, já é relativamente banal ver alunos de bata branca, nos laboratórios e em outros espaços da escola fora dos horários lectivos.

A professora usa galochas para acompanhar os jovens nos trabalhos de campo e muitos dos fins-de-semana são passados na escola ou em acampamentos a trabalhar em projectos e actividades de investigação.

Já chegou a fazer da sala de aula camarata, após longos períodos de trabalho com os estudantes, fora dos horários lectivos.

Rita Domingos, ex-aluna de Paula Canha e fisioterapeuta, confessa que inicialmente “foi um choque”: “Descobri que era eu que tinha de procurar as coisas”. Hoje, olha para trás e conclui que “é mais do que uma professora de escola, é uma professora também da vida”.

Também João Cortes, actualmente estudante de Agronomia, afirma que Paula Canha se destaca de qualquer outro professor pela motivação que transmite aos alunos. João relembra que os intervalos eram muitas vezes passados no clube de ciências a preparar projectos, designadamente sobre educação ambiental: “Íamos para o campo, para a praia e para o pinhal para dar formação em educação ambiental às crianças das escolas do 1.º ciclo de Odemira”.

Mas, apesar da reconhecida dedicação à escola e aos alunos, Paula Canha, não esconde que é casada, tem três filhos, de 12, 14 e 16 anos, e que dedica “imenso tempo à família e aos amigos.

“É só uma questão de gerir bem o tempo”, pondera.

Questionada sobre qual o maior desafio que já enfrentou enquanto professora, Paula Canha revela que é “entrar todos os dias numa sala de aula com o mesmo entusiasmo e dedicação, como se fosse a primeira vez”, até porque “os alunos percebem quando assim não é e reflectem a nossa atitude”.

As palavras são do presidente do Conselho Executivo, José Alexandre Seno Luís, e constam do formulário de candidatura: “Ela é a principal obreira da nova escola que queremos e de que necessitamos: a escola que se frequenta activamente e por prazer; a escola onde se está fora de horas lectivas; a escola onde o aprender não é decorar textos; a escola onde se produz saber; a escola onde se descobre; a escola onde se inova…”.

Informação sobre a edição do Prémio Nacional de Professores

Discurso da Ministra da Educação na cerimónia

«in CONFAP »